©2017 Direitos reservados para Primeiro Andar. Todas as fotos, salvo indicação em contrário, são de autoria de Gil Carlos Volpato. Desenvolvido por aGenteCV [laboratório de criação]. Criado com Wix.com.

Faça sua pesquisa por categoria
Faça sua pesquisa por palavra
  • Google+ - White Circle
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • Pinterest - White Circle
  • Twitter - White Circle
  • Gil Carlos Volpato

Dois palhaços



Estava quase esquecendo, mas hoje é quatro de julho, feriado nacional na terra do Ronald McDonald. Eu poderia postar uma foto dele mas achei que o Bozo ficaria com ciúmes, até porque a história dos dois palhaços se confunde num caso de amor e traição. Acontece que lá em 1963 a rede de fast-food exibia seu merchandising no programa do palhaço Bozo, interpretado por Willard Scott Herman Jr., até que este, a pedido da fábrica de sanduíches pequenos e caros, criou o palhaço Ronald e passou a interpretá-lo, deixando a personagem dos cabelos doidamente compridos meio de lado. Bozo nunca mais foi o mesmo e viveu à sombra do concorrente que é quase tão conhecido quanto o Papai Noel ao redor do mundo. Também, com aquelas roupas discretas até eu ficaria conhecido! Voltando… preferi postar uma fotografia da bandeira americana - símbolo americano quase tão conhecido quanto o Ronald - hasteada no salão principal do Ellis Island Immigrant Station, por onde passaram mais de 12 milhões de imigrantes entre 1892 e 1954. Outros 8 milhões de imigrantes já haviam sido ‘processados’ no Castle Garden Immigration Depot em Lower Manhattan, do outro lado da baía, durante os 35 anos que antecederam a abertura de Ellis Island. A maioria dos primeiros imigrantes a chegar aos Estados Unidos da América era de alemães, irlandeses, britânicos e escandinavos, mas aos poucos estes foram sendo substituídos por imigrantes vindos do sul e do leste europeu, incluindo judeus; além de poloneses, húngaros, tchecos, sérvios, eslovacos, gregos, sírios, turcos e armênios. Atualmente mais de 100 milhões dos ditos americanos, incluindo os extremamente patriotas e aqueles que querem invadir todos os países do mundo, podem rastrear seus ancestrais entre os imigrantes pobres e sofridos que foram recepcionados em Ellis Island antes de seguirem para os mais variados cantos do país. Normalmente os imigrantes aprovados passavam entre três e cinco horas na ilha, mas aqueles com visíveis problemas de saúde podiam ser mandados de volta para casa imediatamente (uma viagem transatlântica!) ou permanecer durante meses na ilha sob quarentena. Mais de 3.000 imigrantes doentes morreram na ilha enquanto esperavam ser liberados. Os incapacitados ou inaptos para o trabalho eram rejeitados sob a alegação de que se tornariam um fardo para a comunidade. Aproximadamente 2% de todos os recém chegados foram impedidos de entrar no país (tão perto e tão longe!) por causa de suas doenças contagiosas, ficha criminal ou insanidade mental. Por conta desses, a ilha ganhou os apelidos de “The Island of Tears" (A Ilha Das Lágrimas) e "Heartbreak Island" (Ilha Do Coração Partido). A primeira pessoa a passar por Ellis Island foi Annie Moore, uma garota irlandesa de 17 anos em 1 de Janeiro de 1892. A última pessoa foi Arne Peterssen, um mercador norueguês em 1954. Entre os dois, estão todos os que sonharam com os United States e fizeram da América o que ela é hoje. Fotografia: Gil Carlos Volpato, 09 de setembro de 2011, Ellis Island, New Jersey, Estados Unidos Da América.

#america #bandeira #imigrante #palhaco #mundo

8 visualizações